A alegria absurda por excelência é a criação.

Quem escreveu a frase acima foi Nietzsche.

Quem viveu isso foi José Saramago que nos deixou hoje.

A frase de Friedrich, Clarice Lispector usou na abertura do seu Um sopro de Vida.

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro

O tecer das horas e o bordar das pétalas

Gabriel, Miguel, Drummond e Chico