O poema abaixo, Três metades, de Paulo Leminsky, é uma pérola recolhida pela querida Bet Moreira:

Meio dia,
um dia e meio,
meio dia, meio noite,
metade deste poema
não sai na fotografia,
metade, metade foi-se.


Mas eis que a terça metade,
aquela que é menos dose
de matemática verdade
do que soco, tiro, ou coice,
vai e vem como coisa
de ou, de nem, ou de quase.


Como se a gente tivesse
metades que não combinam,
três partes, destempestades,
três vezes ou vezes três,
como se quase, existindo,
só nos faltasse o talvez.

Postagens mais visitadas deste blog

É casa, é jardim

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro