Do onírico

Eu estava caminhando pelas ruas do meu bairro de infância, a Vila Mocó, hoje rebatizado para Jardim Paulo Afonso. Vestia um short quadriculado de azul e branco com uma camiseta de algodão branca em "v". De repente, alguém toca no meu braço. Eu me viro e quem vejo? Roberto Carlos - não o jogador de futebol e sim o Rei.
Acordei.
:)

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro

O tecer das horas e o bordar das pétalas