O melhor delito do mundo



Judith Leyster: duas crianças com um gato. 1629.


Um crime afiançável com certeza!

“Quem nunca roubou não vai me entender. Quem nunca roubou rosas, então, é que jamais poderá me entender. Eu, em pequena, roubava rosas.”


Clarice Lispector em Felicidade clandestina. Conto Cem anos de perdão, p. 68, 1994, 8ª edição, Editora Francisco Alves.

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro