Os poetas têm conta bancária!




A gente pensa que poetas vivem de brisa, ou melhor, de poesia, mas não é bem assim. Na Folha de S. Paulo de domingo (06 mar 2011), Ferreira Gullar deixou um “ps” bem interessante na coluna que ele possui na Ilustrada, caderno de cultura da Folha: que os diretores do Itaú prestassem atenção aos caixas eletrônicos do Banco, já que eles faturaram alto no ano passado.
Amanhã, vou pegar o texto do nosso poeta e transcrevê-lo na íntegra.
Ontem passei 30 minutos na fila do Itaú da avenida Guararapes em Petrolina. Dos seis caixas eletrônicos, só 4 estavam funcionando e mal – um só para depósito; um só para saque; um que não imprimia.
Pelamordedeus, quem pode nos proteger dos bancos que só pensam em faturar em cima das nossa fraturas – pode crer, minha coluna saiu empenada de lá.

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro