Fernanda Montenegro, como vai? Espero que bem!





... assisti a três peças suas: The Flash and the Crash Days, Dona Doida e Dias Felizes.

Eu trabalhava no Acontece, quando ainda era um caderno dentro da Ilustrada, da Folha de S.Paulo. A melhor coisa da função era que a gente ganhava ingresso para assistir aos espetáculos. Quando o assessor de imprensa era bem gente com a gente, ele descolava um encontro como o que tivemos.
Eu e meu amor tivemos a honra de conhecer você em São Paulo com Dias felizes.




Fernanda, nós conversamos por pouco tempo. Lembro que pedi a você que me falasse sobre uma doce obsessão, Clarice Lispector.
Eu disse: - Me fala sobre a crônica que Clarice publicou no Jornal do Brasil, com uma carta sua, no auge da ditadura militar.

Você abriu um sorrisão e me contou um pouquinho, o tempo era escasso, você ia sair com seu marido, Fernando Torres, para jantar e estava exausta depois da peça, claro.

Obrigada por ter nos recebido. Obrigada por existir, por você ser essa Atriz (com letra maiúscula mesmo). Obrigada!

P.s.: ... pena não ter levado a câmera fotográfica pra marcar esse acontecimento na minha vida... também eu não sabia que ia ter a chance de conhecê-la... ainda bem que arrependimento não mata... se bem que eu acho que arrependimento mata sim... só que não é de vez e sim l-e-n-t-a-m-e-n-t-e. Isso.



#fernandamontenegro#acontece#folhadesaopaulo#ilustrada#nadiagonzaga#memoriadosolo#memoria#memoriaindividual#

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro