Posso morrer de sede diante de mim




" - Você sempre me deixou só.

- Não... - assustou-se ela. - É que tudo o que eu tenho não se pode dar. Nem tomar. Eu mesma posso morrer de sede diante de mim. A solidão está misturada à minha essência..."


Clarice Lispector: Perto do Coração Selvagem, p. 199

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Gabriel, Miguel, Drummond e Chico