Sinto, logo escrevo





"Escrevo do modo que escrevo porque é a maneira como foi concebido e não saberia dizer

de outro modo. Não sou uma pessoa que possa relatar uma ideia passada. Não sei pôr no

 papel uma coisa que não estou sentindo mais."


= Clarice Lispector, frase encontrada na contracapa do livro “A escritura de Clarice Lispector”, de autoria de Olga de Sá. 

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro

O tecer das horas e o bordar das pétalas

Gabriel, Miguel, Drummond e Chico