Clarice Lispector e a poesia de Emily Brontë


Um dia desses eu acordei com uma moleza de gripe e depois do café voltei pra cama. Achei então que era um bom momento para ler as poesias de Emily Brontë (e com trema). Como ela me compreende, Lúcio, tenho vontade de dizer assim.

Há tanto tempo eu não lia poesia, tinha a impressão de ter entrado no céu, no ar livre. Fiquei até com vontade de chorar mas felizmente não chorei porque quando choro fico tão consolada, e eu não quero me consolar dela; nem de mim.

Você está rindo? – Fez há uma semana mais ou menos um grau abaixo de zero. Alguns dias depois desconfiei que o tempo estava bom e fui para a terrasse. Ainda estava frio e ficará assim até março, mas estava tépido e fresco, com um perfume que só se sente mesmo depois do inverno por causa das folhas que desde o começo caem e ficam no chão.

Eu respirei tanto que Deus me castigou e por isso no dia seguinte eu estava com a moleza de gripe e li Emily Brontë... Você vê que as coisas se completam perfeitamente na Itália.



= = Em “Clarice, uma vida que se conta”, de Nádia Batella Gotlib, p. 201. Trecho de carta para Lúcio Cardoso, que traduziu  Emily Brontë. 

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro