(Acima, poema-objeto de Joan Brossa)


DESPACHO
(Joan Brossa)

A máquina
é uma combinação de peças
(barras, molas, alanvancas)
que serve para a escritura.

É bem certo
que o que trabalha 
sob o espírito de um outro
ou sob mão bem compensada 
não obtém nunca bons resultados.

Hoje as nuvens parecem
formas de homens e de animais 
que se movem. 

Já vi
que na terra tinha uma marca. 


Dia 8 de fevereiro de 2010 foi a primeira vez que postei aqui. E deixei passar o aniversário em branco.
Antes tarde do que nunca: parabéns! Longa vida a essas postagens que marcam o meu dia a dia – a minha meta, ainda não atingi: um post por dia.
  

Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro