Mistério talvez seja a palavra que mais define a escritora Clarice Lispector. Veio de um mistério, por isso, neste dez de dezembro, dia em que ela nasceu, em 1920, ela desejaria aos que ainda estão vivos – vivos não são os que estão acima das covas – mas os que realmente VIVEM, os que sabem extrair o sumo sagrado, o sumo mais doce da vida. Pois que só temos uma!



Postagens mais visitadas deste blog

Arquiteto Carlos Nascimento (in memoriam) será homenageado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

É casa, é jardim

Sonhos famintos: leitura do conto A Cadeira de Balanço, de Clarissa Loureiro