Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2011

Fácia e Difícia

Imagem
- Mãe, essa tarefa é fáciA e essa é muito difíciA.



Déa encontra Clarice por Caio

Do blog da minha sobrinha,


"Começo com uma citação de Clarice Lispector, já citada em outras bandas, no livro Ovelhas Negras de Caio Fernando Abreu: “Por que publicar o que não presta? Porque o que presta também não presta. Além do mais, o que obviamente não presta sempre me interessou muito. Gosto do modo carinho do inacabado,daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão.”

É, Déa, Clarice gosta dos desajeitados, dos vôos tímidos, mas que sejam vôos. Sempre. Mesmo com medo, voemos!  Ah o endereço do blog: 
http://bandasdela.com

Salada com salmão da minha amiga Juliana

Imagem
Esse prato foi "cometido" pela minha amiga jornalista (UFPE, 1995) Juliana Karla, agora estagiária de 


Gastronomia (curso que está concluindo na Federal de Pernambuco) na Argentina, mais precisamente em 


Buenos Aires.


Eu consegui a receita com a autora!


"Folhas de espinafre cruas, tomate fresco em rodelas finíssimas, um queijo parmesao (pedaço pra ralar) e


 salmao (defumado, de preferência). Pro molho, 3 partes de azeite de oliva, 1 parte de mostarda (bem ácida),


 mel, sal e pimenta-do-reino a gosto - misturar os últimos, acrescentar o azeite e bater para emulsionar. 


Comer!"

Vida minha minha vida dá, vida vida dá dádiva dívida vida.

Outro haikai

Mar de primavera O dia todo Lentamente ondula. (Buson)

Lispectuar o cotidiano

Clarice sempre na minha vida. Presente. Presente!

Sou impotente e medrosa em dar o pequeno golpe que transformará o meu corpo nesse centro que deseja respirar e que se ergue, que se ergue... (Clarice Lispector in Perto do Coração Selvagem)

De Drummond

Lembrete
Se procurar bem, você acaba encontrando não a explicação (duvidosa) da vida, mas a poesia (inexplicável) da vida.
No livro Corpo

Haikai

Uma pessoa visita outra pessoa Entardecer de outono. (Buson)
O ano chega ao fim O vento Faz soar o vasto céu. (Gyôdai)

Por Friedrich Nietzsche

A alegria absurda por excelência é a criação.