Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2015

A vida, esse banquete

Imagem
“A mesa fora coberta por uma solene abundância. Sobre a tolha branca amontoavam-se espigas de trigo. E maças vermelhas, enormes cenouras amarelas, redondos tomates de pele quase estalando, chuchus de um verde líquido, abacaxis malignos na sua selvageria, laranjas alaranjadas e calmas, maxixes eriçados como porcos-espinhos, pepinos que se fechavam duros sobre a própria carne aquosa, pimentões ocos e avermelhados que ardiam nos olhos – tudo emaranhado em barbas e barbas úmidas de milho, ruivas como junto de uma boca. E os bagos de uva. As mais roxas das uvas pretas e que mal podiam esperar pelo instante em que seriam esmagadas. E não lhes importava esmagadas por quem. Os tomates eram redondos para ninguém: para o ar, para o redondo ar. Sábado era de quem viesse.”

= Clarice Lispector. Felicidade Clandestina. A repartição dos pães, p. 98. Francisco Alves editora, 1994, 8ª edição.

O melhor delito do mundo

Imagem
Um crime afiançável com certeza!
“Quem nunca roubou não vai me entender. Quem nunca roubou rosas, então, é que jamais poderá me entender. Eu, em pequena, roubava rosas.”

Clarice Lispector em Felicidade clandestina. Conto Cem anos de perdão, p. 68, 1994, 8ª edição, Editora Francisco Alves.

Tem que ser Clarice! É um chamado! Preciso atender!

Imagem
Em algum ponto deve estar havendo um erro: é que ao escrever, por mais que me expresse, tenho a sensação de nunca na verdade ter-me expressado. A tal ponto isso me desola que me parece, agora, ter passado a me concentrar mais em querer me expressar do que na expressão ela mesma. Sei que é uma mania muito passageira. Mas, de qualquer forma, tentarei o seguinte: uma espécie de silêncio. Mesmo continuando a escrever, usarei o silêncio. E, se houver o que se chama de expressão, que se exale do que sou. Não vai mais ser: “Eu me exprimo, logo sou.” Será: “Eu sou; logo sou.”
| Clarice Lispector. A descoberta do mundo, p. 270

| Arte: Os dois saltimbancos, Picasso, Paris, 1901