Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Tema: o instante

Imagem
Em “Água Viva”, o questionamento: “Meu tema é o instante? Meu tema de vida. Procuro estar a par dele, divido-me em tantas vezes quanto os instantes decorrem”. A urgência e necessidade de fixar os nascimentos e mortes dos instantes que chegam constituídos de dor e alegria dilaceram e, ao mesmo tempo, maravilham a escritora Clarice Lispector.


Extraído de “A crônica segundo Clarice Lispector”, p. 18.

Imagem
Autor premiado de “O sonâmbulo amador”, José Luiz Passos nos levou pelos labirintos da feitura do conto.


Presenteou-nos com a leitura de Moacir Scliar, Graciliano Ramos e nos fez ver como são necessários os jardins de Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Machado de Assis, Mário de Andrade, Murilo Rubião e Osman Lins.

Obrigada, Zé Luiz!

Há quase 40 anos

Imagem
Transcrição do bilhete de Carlos Drummond de Andrade para Clarice Lispector depois que ele recebeu exemplar de “Onde estivestes de noite?”
Rio, 5 de maio de 1974.
Querida Clarice:
Que impressão me deixou o seu livro: Tentei exprimi-la nestas palavras:
- Onde estivestes de noite que de manhã regresseis com o ultra-mundo nas veias, entre flores abissais?
- Estivemos no mais longe que a letra pode alcançar : lendo o livro de Clarice, mistério e chave do ar.
Obrigado, amiga: o mais carinhoso abraço de admiração do Carlos.
=== A cópia do bilhete está em “Clarice Fotobiografia”, de autoria de Nádia Battella Gotlib, página 403.

A prece

Imagem
“Com a mão na boca, horrorizada, eu corria, corria para nunca mais parar, a prece profunda não é aquela que pede, a prece mais profunda é a que não pede mais – eu corria, eu corria muito espantada.”

Clarice Lispector em “Os desastres de Sofia”, conto de “A Legião Estrangeira”, p. 22.

Porque os escritores também são operários

Imagem
- Clarice, mon amour, hoje é Dia Mundial do Trabalho, mas eu prefiro chamar essa data de Dia do Trabalhador. A propósito, você tem algo neste Primeiro de Maio de 2014? Você quer falar sobre Macabéa?
- “Agora não é confortável: para falar da moça tenho que não fazer a barba durante dias e adquirir olheiras escuras por dormir pouco, só cochilar de pura exaustão, sou um trabalhador manual.”
- Considero  “A Hora da Estrela” um tributo seu ao nordeste, à nordestina, à vida que só tira, só tira, só tira. Por isso, a necessidade que Macabéa tem de pensar num tempo em que foi feliz, apesar dos cascudos que a tia dela lhe dava.

 - “Tinha saudade de quando era pequena – farofa seca – e pensava que fora feliz. Na verdade por pior a infância é sempre encantada, que susto. Nunca se queixava de nada, sabia que as coisas são assim mesmo e – quem organizou a terra dos homens? Na certa mereceria um dia o céu dos oblíquos onde só entra quem é torto. Aliás não é entrar no céu, é oblíquo na terra mesmo.…