sábado, 25 de janeiro de 2014

Carta para Virginia Woolf

Petrolina-PE, 25 de janeiro de 2014

Querida Virginia Woolf,

você nasceu há 132 anos numa manhã fria londrina que se tornou quente, muito quente, quentíssima quando você soltou o primeiro grito neste mundo. Você recebeu o nome de Adeline Virginia Stephen, filha de Julia Prinsep Stephen, conhecida por sua incrível beleza e de Sir Leslie Stephen, historiador crítico e editor. Você virou crítica literária aos vinte anos de idade, escrevendo regularmente para o The Times Literary Supplement.

Seu marido, Leonard Woolf, conheceu nas reuniões do Bloomsbury, grupo de vanguarda que reunia escritores e artistas desde 1904 em Londres. Foi com Leonard que você fundou a Hogarth Press em 1917, e publicou autores como Katherine Mansfield, T.S. Eliot, Máximo Górki e veja só, a obra completa de Sigmund Freud.

Você escreveu  A Viagem (1915), Noite e dia (1919), O quarto de Jacob (1922), Mrs. Dalloway (1925), Passeio ao farol (1927) e Orlando (1928). Depois,  As Ondas em 1931 e Flush (1933).
Antes de tirar sua própria vida em 1941, você sofreu colapsos nervosos ao enfrentar a morte da sua mãe, em 1895; depois, no falecimento do seu pai, em 1904 e logo após o casamento com Leonard, em 1912.



Sei também que criou Entre os atos ouvindo as bombas dos alemães caírem durante a II Guerra Mundial. “Esta manhã discutimos o suicídio, se Hitler nos invadir. De que nos vale esperar?”, estava anotado em seu diário  no dia 15 de maio de 1940.

Viu serem destruídas pelos bombardeios alemães a casa em que morou e onde também funcionava a editora, em Mecklenburgh Square; e a casa em Tavistock Square, onde você e Leonard viveram por tantos anos: “Tudo é entulho onde escrevi tantos livros”, ficou registrado no seu diário.

Para mim, você foi uma lutadora sem igual  e esta pequena carta que lhe escrevo é para dizer que leio você desde 1991 e desde então, minha vida fica mais completa. Por isso, feliz aniversário, Virginia!

Com amor,

Nádia Gonzaga.
= = = 

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Juan Rulfo no Youtube

Do que é maravilhoso achar na Internet...

                                              O escritor Juan Rulfo lê trecho de Pedro Páramo

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Tom Zé, mon amour


                                                      Imagem do site oficial de Tom Zé


Tom Zé, baiano de Irará, está pertinho de ser um senhor de 80 anos de idade. Ele nasceu no dia 11 de outubro de 1936. Você pensa que ele se aposentou?
"Nananinão", olha só o que ele está aprontando: Tom Zé no Estadão

uma correção ao artigo do Estadão, não é arroto e sim "assopro de coca-cola", como no vídeo que pesquei no Vagalume: Guindaste a rigor 




quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Primeiro de 365 dias


                              Drawing by Tom Azevedo


Errante Man, o cara do desenho acima batizado por mim, espera, ou melhor, quer a que a gente faça um 2014 cheinho de música e arretado de bom!