sábado, 23 de fevereiro de 2013

Quentin Jerome Tarantino, 50 anos



... a propósito, nas bandas de lá, precisamente em São Paulo, o melhor e o pior de Quentin podem ser vistos na mostra Mondo Tarantino que o Centro Cultural Banco do Brasil vai exibir. Ou seja, são todos os filmes do rapaz, que  vai fazer cinquenta anos em março.

Uma Thurman e John Travolta em Tempo de Violência


De Tarantino, curto pra caramba Tempo de Violência e Bastardos Inglórios.


Samuel L. Jackson, John Travolta e Harvey Keitel (a partir da esq)/ Tempo de Vioência


Ainda não vi Django Livre... 

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Entre os Atos ou Sob as Bombas




Virginia Woolf escreveu seu último livro, “Entre os atos”, ouvindo o ronco dos aviões alemães. Ela começou a redigi-lo no ano em que a Segunda Guerra começou, 1939. Dois anos depois, Woolf se suicidaria ao mergulhar no Rio Ouse, perto da sua casa campestre em Rodmell, no condado de Sussex.

A obra, publicada quatro meses após sua morte, é a história da encenação de uma peça ao ar-livre. Habitantes da aldeia, vacas, passarinhos e outros seres participam do espetáculo que é comandado pela Srta. La Trobe. Enquanto a peça acontece, vemos as pequenas mentiras cotidianas e preconceitos vividos pelos personagens.

“Entre os atos” deixa uma sensação de uma obra inacabada, apesar de a autora ter entregue o manuscrito pronto para edição pela editora fundada com o marido, Leonard Woolf. O inacabado não é um ponto negativo, pelo contrário. Remete ao fragmentário, quem sabe aos escombros deixados pela Guerra.

De onde morava, Virginia conseguia ver a suástica dos aviões alemães passando sob sua cabeça. 

Em Londres, Mecklengburgh Square, a última residência londrina dos Woolf (e a editora), foi bombardeada; a casa em Tavistock Square, onde ela  e Leonard viveram antes de se mudarem para Mecklengburgh Square também foi destruída. “Tudo é entulho onde escrevi tantos livros”, anota VW no diário.