domingo, 18 de novembro de 2012




Na revista Bravo deste mês , o jornalista Oscar Pilagallo mostra um pouco de Clarice Lispector como jornalista que foi ao chamar a atenção para a coletânea que Maria Aparecida Nunes, estudiosa de CL, acabou de lançar pela Editora Rocco. 
Na reportagem, Pilagallo ressalta um trecho do livro organizado pela estudiosa, quando Clarice vai pessoalmente falar com o linotipista que teimava em "corrigir" os textos dela, achando que havia erros:

"A pontuação é a respiração da frase, e minha frase respira assim.  E termina assim o puxão-de-orelha da escritora:
"- E se você me achar esquisita, respeite também."Até eu fui obrigada a me respeitar."  

Não sabendo ele que Clarice gostava de chacoalhar a nossa tão amada língua portuguesa em seus livros. Nas mãos de Clarice, as palavras são mais vivas, vivíssimas.




sábado, 17 de novembro de 2012

Sylvia Plath



Sonhei com Sylvia Plath. Nele, ela tinha um irmão que a ajuda a superar a depressão causada pela morte do pai, aos 9 anos de idade. Ele sempre tirando-a de casa e levando-a para passear...
Influência do filme e do documentário que vi ontem à noite sobre a poeta. Também da entrevista (só o áudio) que ela concedeu em 1962.
Fotos do cartaz e cenas do filme estrelado pela querida Gwyneth Paltrow. Daniel Craig (o 007!), interpreta e bem, o poeta Ted Hughes, marido de Plath.


quinta-feira, 15 de novembro de 2012